Artigos

Aqui você encontra os artigos científicos que publiquei nos últimos anos, em parceria com a professora Clarice Fortkamp Caldin, sobre o tema da Biblioterapia. Disponibilizo também a minha dissertação de mestrado onde abordei o tema da prática da Biblioterapia no Brasil e na Polônia. Fique à vontade para acessar, baixar e boa leitura. Clique no título para abrir.

Biblioterapia como recurso para a formação humana do bibliotecário
Resumo: Neste artigo, abordo o tema da Biblioterapia, entendida como o cuidado com o ser humano por meio das histórias literárias, no contexto da formação humana com destaque para o profissional de Biblioteconomia. Apresento o conceito de Educação humanizadora de Paulo Freire e do papel da literatura enquanto recurso humanizador. Destaco algumas iniciativas de universidades brasileiras que incluem a Biblioterapia nos cursos de Biblioteconomia e concluo que a Biblioterapia é um recurso útil para a formação humana do bibliotecário. 

Biblioterapia e Hermenêutica: revisitando Gadamer e Ouaknin
Resumo: Apresenta alguns conceitos do campo da filosofia hermenêutica e faz uma relação com elementos do processo biblioterapêutico visando o cuidado com o ser. Explora o pensamento dos filósofos Ouaknin e Gadamer e de autores de diferentes áreas como a Ciência da Informação, Literatura, Antropologia e Psicologia. A pesquisa é exploratória, de caráter bibliográfico e abordagem qualitativa. Conclui que a Biblioterapia vai além do cuidado por meio das histórias e enfatiza a importância do diálogo, da interação e da interpretação no processo biblioterapêutico.

Entrevista com Clarice Fortkamp Caldin para a Revista ACB
Resumo: O tema da Biblioterapia no Brasil está fortemente vinculado à Biblioteconomia e à Ciência da Informação. Isso não ocorre por acaso. A grande responsável é a professora Drª. Clarice Fortkamp Caldin, docente da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), graduada em Biblioteconomia pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) e com mestrado e doutorado em Literatura pela UFSC. O interesse pela pesquisa sobre o potencial terapêutico da leitura e da literatura acompanha a professora desde o início da sua carreira na docência, que teve início em 1995. Nesta entrevista a professora Clarice conta um pouco sobre a sua trajetória que, inevitavelmente, se confunde com a história da Biblioterapia no Brasil.

Biblioterapia no Brasil e na Polônia: uma análise a partir de artigos publicados entre 2000 e 2015 em periódicos brasileiros e poloneses
Resumo: Apresento uma análise da prática da biblioterapia no Brasil e na Polônia com base em artigos de periódicos brasileiros e poloneses. Abordo especificamente a Biblioterapia de Desenvolvimento, ou Educacional, que admite a participação de diversos profissionais como aplicadores, dentre os quais destacamos o bibliotecário. O objetivo principal deste artigo é analisar as características da prática da Biblioterapia de Desenvolvimento no Brasil e na Polônia com base na literatura científica brasileira e polonesa publicada entre 2000 e 2015.

Biblioterapia: o quiasma entre as ciências
Resumo: No presente artigo apresenta-se a Biblioterapia, entendida como a função terapêutica da leitura, como  interlocução entre Ciência da Informação, Filosofia e  Psicologia. Parte-se do conceito de interdisciplinaridade, próprio das ciências pós-modernas, que fortalece a compreensão do ser humano na complexa sociedade do Conhecimento. O objetivo é apresentar o entrelaçamento da Ciência da Informação, Filosofia e Psicologia no tocante a conceitos e ideias sobre a Biblioterapia.

Contos de fadas também é coisa de gente grande: aplicabilidade terapêutica de histórias infantis para adultos
Resumo: Aborda o conceito de Biblioterapia e a aplicabilidade de histórias infantis com fins terapêuticos para os adultos. Destaca as origens e as características dos contos de fadas. Apresenta o contexto histórico do surgimento da infância. Defende que tais histórias, tidas hoje como infantis, foram feitas inicialmente para um público vasto que incluía crianças, jovens e adultos. Mostra a relação entre mito e conto de fadas. Aponta os aspectos terapêuticos presentes nos contos de fadas, ou seja, a catarse, a identificação e a introspecção. Analisa tais aspectos relacionando-os às possíveis influências que podem ter na vida de um adulto. Conclui que os contos de fadas podem ser utilizados em atividades biblioterapêuticas que tenham como público-alvo os adultos.

Dissertação:

Biblioterapia no Brasil e na Polônia :distâncias e aproximação a partir da literatura científica (clique para baixar o pdf)

Resumo: Quem? Onde? Como e para quem? Essas foram as categorias que utilizei para analisar as características da Biblioterapia praticada no Brasil e na Polônia, tendo como base artigos científicos publicados por pesquisadores brasileiros e poloneses. A análise dos artigos revelou algumas distâncias e aproximações da prática nesses dois países. Vale destacar que o modo de fazer apontado nos artigos brasileiros e poloneses é semelhante, com destaque para o uso da literatura e os elementos do diálogo e da interação. Já em relação a quem faz e onde faz, foram identificadas algumas diferenças como a presença da Biblioterapia no fazer do bibliotecário e nas bibliotecas polonesas, enquanto no Brasil prevalece a presença da atividade em hospitais e asilos aplicada muitas vezes por estudantes e docentes de Biblioteconomia. Conclui-se enfatizando alguns exemplos da Biblioterapia na Polônia que podem ajudar a desenvolver a prática no Brasil e reforçando a necessidade de pesquisas mais abrangentes sobre a temática no nosso país.